terça-feira, janeiro 22, 2008

Foi você que pediu uma reforma?

Segundo o Público de 18 de Janeiro, Paulo Teixeira Pinto saiu do BCP com 10 milhões de euros de indemnização. Tudo legal e com o acordo do BCP, ao que parece também dos seus accionistas.
Pelos 2 anos em que liderou o banco, leva ainda uma absolutamente nada módica reforma de 37,5 mil euros mensais, por 14 meses ao ano.

Em carta enviada ao Público de 19.01.2008, o ex-BCP esclarece: "em defesa do meu nome e honra pessoal [...] passei à situação de reforma em função de relatório de junta médica."

Recordo que Paulo Teixeira Pinto, que entretanto parece que "refez" a vida como consultor de empresas, é militante do PSD e esteve no último governo de Cavaco Silva, onde chegou a ser secretário de Estado e porta-voz. Em 2007, além do BCP, diz que abandonou também outra seita.

Em Portugal passamos o tempo a vociferar, às vezes, por dá cá aquela palha, contra o governo e os políticos. Só que estes, ao menos, são substituíveis.
Em contrapartida, quando ouvimos notícias destas, provindas dos mais altos poderes económico e financeiro, a coisa não parece suscitar tanto incómodo, indignação ou revolta, sobretudo a certos críticos. Quando se sabe que o país, incluindo as empresas e o Estado, está todos nas mãos da banca, ou seja, empenhado até ao pescoço. Digo, ponta dos cabelos.

Um leitor do Público, mais avisado, pergunta e pergunta muito bem: "Atendendo a que existem muitos cidadãos a quem as juntas médicas recusam o direito à reforma [conheço casos verdadeiramente escandalosos!] agradeço que Paulo Teixeira Pinto divulgue os membros da junta que julgaram o seu caso, a fim de ser possível a qualquer cidadão recorrer à mesma junta." Subscrevo e aplaudo.

2 comentários:

rocha disse...

não podemos criticar ... pois levou o banco a uma posição invejavel.
Os resultados estão aí à vista de todos!!!

rb disse...

Sem dúvida, amigo Rocha, sem dúvida!!!!