quarta-feira, fevereiro 07, 2007

Juiz suspenso por causa de blog

Conselho Superior de Magistratura suspendeu magistrado devido a blogue com linguagem imprópria

Ainda não tive de oportunidade de ver o blog do juiz Helder João Fráguas (dizem que é bom), mas, logo à partida, fico perplexo com esta suspensão do CSM. É estranho porque há variadíssimos blogues de magistrados, alguns deles anónimos e outros onde o recato que seria exigível é no mínimo duvidoso.

Adenda: apesar de pouca informação oficial sobre o assunto, o blog "impróprio e obsceno" afinal é aqui, no jornal Sol.

4 comentários:

rui guerra disse...

alguém tem que o fazer. os senhores juízes, além do alto vencimento e baixa produtividade entre as suas regalias, querem falar, ou escrever, sem respeito por ninguém.
a moralidade na justiça tem que começar por algum lado.
o silêncio é uma boa forma, obriga-os a serem recatados e discretos.
só assim conquistam de novo o respeito da sociedade.

ricardo batista disse...

Dizes: - "querem falar, ou escrever"
Então e não podem?
"sem respeito por ninguém"
Será este o caso? Não sei ...

No mais, não creio que seja através do silêncio que se vai reconquistar a sociedade.
Convém não esquecer que os juízes são pessoas como nós, de carne e osso, com sentimentos e emoções.
Para mim o que falta é o contrário, mais capacidade comunicacional.

rui guerra disse...

o direito de opinião e de participação na vida cívica assiste a toda a gente, incluindo os juízes, obviamente.
a tua perspectiva é mais laboral do que a minha.
a envolvência em determinados campos da sociedade, nomeadamente, deixa-os vulneráveis a críticas e sobretudo, retira-lhes o estatuto de isenção.
exemplificando, juízes envolvidos no futebol, em qualquer conselho, sempre afectos a um clube (quase sempre os mesmos), por muito que não queiram perdem o respeito dos demais agentes judiciais.
como os problemas da seriedade não se resumem apenas ao futebol, alastrando a sociedade em geral, é problemático a envolvência destes doutores em assuntos do quotidiano, quer emitindo opiniões em blogs, ou em qualquer outro meio, sobre pena de se excederem e "promiscuírem-se" e coisa e tal.

ricardo batista disse...

Se lhes reconheces o direito de opinião e participação cívica, evidentemente, como acabaste de dizer, qual o problema deles se exprimirem em blogs?

Claro que tem de haver um dever de reserva, sobretudo, quando comentam casos concretos e pendentes da vida judicial, mas, isso não quer dizer silêncio absoluto e também não quer dizer nada mais do que essa limitação.

Se há coisa que me irrita é a opacidade da justiça e das magistraturas em particular.
E num mundo tão comunicacional, tão mmediático, como o de hoje, isso é ainda mais problemático.

Enfim, no essencial, parece-me que estamosde acordo.