segunda-feira, dezembro 03, 2007

A correspondência

A escola, sobretudo a escola básica, que envolve o método de ensino, os professores, os pais, os alunos e as diversas comunidades locais, é um espelho, tão claro como o da água, da sociedade que todos repartimos, daquilo que somos e queremos ser.
Não raras vezes, o retrato é demasiado cruel e chega a ser deprimente. Ser professor não deve ser nada fácil, mesmo com vocação.
Esta nota, que diria conter uma boa parte do que não devia ser uma civilização, é um bom exemplar do estado a que chegámos:

4 comentários:

Vigoras disse...

Deixa lá!!!
Quando ainda vendia aulas na universidade, em plean aula, apanhei duas alunas a atirarem aviões de papel uma para a outra. E estamos a falar de alunas do ensino superior, obrigatoriamente maior de idade. Mas sem juízo!!!

rui guerra disse...

infelizmente essa é a realidade que é aprovada pela sociedade. poucos são os que perante um recado deste calibre criticarão directamente os pais.
os filhos adoram ser assim desresponsabilizados e vão andando, todos felizes, até que um dia o insucesso escolar chega a casa, ou os péssimos resultados e aí os pais culpam a escola, porque não educaram os filhos!

Gaspas disse...

É verdade, e este não é nem por sombras um caso dos mais graves!
todas os anos, mesmo tratando-se de ensino voacional, passam por mim casos simplesmente inacreditáveis, de comportamentos inqualificáveis de encarregados de educação. E depois é como diz o RG, vem o insucesso e a culpa é do professor (escola).
E cada vez mais os professores são vistos como funcionários "menores", a quem se retira todos os dias direitos e autoridade, mas aumenta-se as obrigações e responsabilidade.

rb disse...

A imagem chegou-me por email e o título era: "coitados dos professores" aliás, até era para ser o do post.