quinta-feira, agosto 23, 2007

Política em construção

O Tribunal Constitucional considerou "cabalmente provado" que o PSD recebeu um "financiamento ilícito"da construtora Somague, no valor superior a 233 mil euros, alegadamente para o pagamento de despesas do partido e da sua "jota" na campanha para as eleições autárquicas de 2001.
Os documentos que a PJ teve acesso e que despoletaram o caso foram facturas emitidas ao PSD, por serviços que lhe terão sido prestados, estavam rasuradas, tendo o nome da respectiva entidade pagadora sido emendado para o da Somague.
Terá sido Vieira de Castro, naltura responsável financeiro e secretário geral adjunto do PSD, quem terá solicitado esta alteração das facturas.
Logo a seguir, o mesmo Vieira de Castro, ascende a secretário-geral dos transportes (ou das obras públicas?) e, nessa qualidade investido, terá pedido um parecer à PGR como forma deste favorecer a posição da Somague num conflito entre esta e a Brisa, por causa de um concurso para a adjudicação da construção de uma auto-estrada qualquer.
Acontece que nada disto interessa porque temos o fabuloso "caso do milho transgénico", assunto extraordinariamente preocupante, e ainda o não menos escandaloso caso do "plágio no blog do Menezes" para resolver.

2 comentários:

Miguel Ângelo disse...

Meu caro cunhado, não se terá porventura enganado no nome de vieira de Carvalho? não será Vieira de Castro? Aguardo resposta em breve. Saudações leoninas(sem riso pepsodente)

rb disse...

Pois és bem capaz de estar certo. Tenho de averiguar e depois corrijo se for o caso.
Um Grande Abraço e saudações leoninas para ti também.