segunda-feira, dezembro 11, 2006

Três anos

Por volta desta hora, há precisamente 3 anos, peguei no carro e saí apressado para o hospital.
Aí encontrado, dirigi-me em passo rápido até ao núcleo de partos, local que já me era familiar. Disseram-me para vestir a bata verde e os sapatos de plástico e que devia comportar-me como deve ser: sossegado.
Até que, por volta das 19:00, depois de várias, longas e arrastadas horas, vieram dizer-nos que tinham de apressar aquilo. - Estamos a precisar dessa cama. - Dizia a parteira para a minha completa descrença e estupefacção. Brincadeira? Nunca hei-de saber.
O parto acabou por complicar-se, talvez, por alguma precipitação. Foi difícil porque o pequeno vinha, tipo super-homem, com um braço à frente.
Quando cá chegou (a este mundo) estava roxo e teve de ser reanimado logo. Médicos e enfermeiros rodearam-no em acções e observações várias, com ares de preocupação. Uns olhavam o relógio e perguntavam a que horas tinha nascido, outros perguntavam se aquele relógio estava certo. E nós ali, de respiração cortada, depois de tudo aquilo, à espera que nos dissessem algo positivo. Foi um dos momentos mais preocupantes que conheci.
Passado pouco mais de um minuto, a d.ra Cristina, finalmente, olhou para trás e disse-nos sorridente: - 'Tá tudo bem! - Inesquecível.
Imaginava-me a berrar de alegria quando saísse dali, mas não, fiquei atónito, sem saber o que pensar, o que dizer, como reagir. Acabara de ser pai e era estranho.

4 comentários:

rocha disse...

Parabens aos três (Pais e filho)!!

o mais novo ainda não teve intervenção, portanto ainda não é contemplado nas felicitações

um abraço

ricardo batista disse...

"o mais novo ainda não teve intervenção"

OLHA que não ...

outro pra ti

AM disse...

Caríssimo Ricardo

Perdoe-me esta demora de dois dias, para lhe mandar este abraço de parabéns.

Coincidência ou não, o facto é que, dentro de 18 minutos, se completam também três anos, sobre o momento em que passei pelo mesmo, mas no Hospital de Gaia.
Foi sem dúvida o memento mais marcante do toda a minha vida.

(Felizmente não foi exactamente pelo mesmo que a minha veio cá para fora sem complicações)

Um grande abraço do amigo
António Moreira

ricardo batista disse...

Meu Caro AM:

Obrigado pelas felicitações e naturalmente os meus parabéns para a filha e para o pai.
Não tivessemos em hospitais diferentes e quase que "chocávamos" os dois.
O tempo passa depressa pois parece que já não nem me lembro como era nessa altura. Entretanto também veio mais um para nos ocupar essas memórias. Deliciosas memórias, aliás.
O momento do parto quis que ficasse aqui assinalado, ainda que só ao de leve, para o perpetuar.

É sempre bom vê-lo por aqui!

Um abraÇo