terça-feira, novembro 14, 2006

Respirar é viver

Quando se nasce a primeira coisa a fazer é precisamente respirar: encher bem os pulmões e berrar com toda a força. Um momento encantador. A partir daqui essa tarefa é uma constante, que varia de acordo com o nosso bio-rítmo, a nossa actividade, as nossas emoções.

É importante aprender a respirar bem, aproveitando toda a capacidade respiratória. Quanto melhor se respirar, mais e melhor se vive, não duvido. Parece simples, é só combinar a inspiração com a expiração, mas quando se procura optimizar este processo, não é assim tão fácil, é preciso prática.

Muitas vezes, nem sequer damos conta da nossa respiração, de tão natural que ela é. Como contrabalanço desse descuido, sugiro que apenas se observe, muito atentamente, o seu funcionamento. Mais ou menos assim:

Durante uns poucos minutos, concentração absoluta e exclusiva na respiração: no tempo que leva a inspiração e a expiração; no intervalo, sem respirar, que medeia cada uma destas etapas; no barulho do ar a circular; na harmonia de todo o conjunto.
O difícil é conseguir fazê-lo sem interferir no processo, porque normalmente a respiração altera-se, torna-se inconstante, é como se ela ficasse incomodada por estar a ser observada O objectivo é inverter essa tendência, estar ali só a observar, sem influênciar, nem perturbar. É como se quisessemos estar a olhar sem ser vistos.
Chiu ... vamos a isso?

3 comentários:

optimista compulsiva disse...

Acrescento uma sugestão:
Experimentem combater a ansiedade só com exercícios respiratórios.
Basta inspirar e expirar pelo nariz de forma consciente , sendo a expiração o mais prolongada possível.Repetido com frequência, este exercício acaba por se tornar automático em caso de necessidade e,acreditem, dispensa o xanax e similares!!

ricardo batista disse...

Boa sugestão, Optimista Compulsiva! Hei-de voltar a este tema para mais desenvolvimentos sobre a arte de bem respirar.

Anónimo disse...

adorei