segunda-feira, novembro 27, 2006

Passagem dos elefantes










Elefantes na água optimistas à solta

optimistas à solta elefantes na árvore

elefantes na árvore optimistas na esquadra
optimistas na esquadra elefantes no ar

elefantes no ar optimistas em casa
optimistas em casa elefantes na esposa

elefantes na esposa optimistas no fumo
optimistas no fumo elefantes na ode

elefantes na ode optimistas na raiva
optimistas na raiva elefantes no parque

elefantes no parque optimistas na filha
optimistas na filha elefantes zangados

elefantes zangados optimistas na água
optimistas na água elefantes na árvore

Mario Cesariny de Vasconcelos (09.08.23 - 26.11.06)

4 comentários:

optimista compulsiva disse...

MARAVILHOSO POEMA !!!

ricardo batista disse...

Pois, já calculava que fosses gostar. É bastante musical.

ofthewood disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
ofthewood disse...

Vão fugindo para outras paragens aqueles que fazem falta e, como são tão poucos, fica uma saudade cada vez maior. Ou, como dizia o outro, reduzidos a uma oca mediocridade, a uma anedota, a um cantão à beira mar plantado, quando, com tão poucos, afinal já fomos o mundo...